Governo do Distrito Federal
17/01/22 às 16h41 - Atualizado em 17/01/22 às 16h42

Projeto garante autonomia feminina por meio da gastronomia

A SMDF oferece 192 vagas para interessadas em participar dos cursos do projeto Mão na Massa, que já formou 144 mulheres

 

A Secretaria da Mulher do Distrito Federal (SMDF) está oferecendo 192 vagas para as interessadas em participar dos cursos do projeto Mão na Massa. As inscrições já estão abertas e as aulas começam no dia 21 de fevereiro. A iniciativa, parceria da SMDF com o Senai, disponibiliza formação em bolos caseiros, bombons e trufas, pizzas e esfirras e técnicas de confeitaria.

 

 

A secretária da Mulher, Ericka Filippelli, destaca que o enriquecimento da mulher significa o enriquecimento de toda a família. O Mão na Massa formou até agora 144 mulheres das 336 vagas oferecidas inicialmente. “A autonomia econômica é um eixo estratégico e, por isso, trabalhamos para reforçar a importância de se investir em mulheres”, diz.

 

Uma das parcerias da SMDF no programa Mão na Massa é o Instituto BRB, por meio da Rede Sou Mais Mulher. “O objetivo é capacitar mulheres nas áreas de gastronomia, sendo que algumas delas estão em situação de vulnerabilidade”, explica a secretária.

 

De acordo com Ericka Filippelli, é mais que um curso. “Quando oferecemos às mulheres a possibilidade de elas terem autonomia econômica, damos-lhes o direito de escolha. O enriquecimento da mulher é o enriquecimento de uma família. Não estamos apenas garantindo o sustento delas, mas o desenvolvimento da família e da nação”, explicou.

 

A coordenadora do projeto na SMDF, Gisela Rocha, explica que para participar do Mão na Massa a interessada precisa preencher o cadastro do programa Empreende Mais Mulher. “A partir do cadastro, a mulher é direcionada para o projeto escolhido.” Os cursos oferecidos foram escolhidos pelo Instituto BRB e pelo Senai.

 

Mas não basta se identificar com o curso para conseguir a vaga. É preciso ter espírito empreendedor, querer ser comerciante. “No formulário que é preenchido é perguntado: o que a candidata à vaga pretende fazer após o Mão na Massa? Qual a sua intenção ao fazer o curso? 90% das mulheres que procuram os cursos querem empreender”, disse Gisela.

 

As aulas, que começam em fevereiro, terão carga horária mínima de 42 horas e máxima de 150 horas, a depender do curso escolhido pela aluna. Cada turma será composta por 12 mulheres. Em uma primeira triagem, a SMDF escolherá 20 candidatas para participar da seleção final.

 

As que não forem escolhidas para compor as turmas farão parte de uma lista de espera. A escolha para participar dos cursos é feita com base nos perfis das candidatas e na capacidade de se tornarem empreendedoras. Para isso, são usados os formulários respondidos pelas aspirantes às vagas.

 

Antes do início das aulas há um encontro preparatório com explanação do projeto e, ao final das aulas, as participantes fazem o curso Realize, composto por três encontros, que acontecem no Espaço Empreende Mais Mulher, em Taguatinga, ministrado por pedagogos e psicólogas da SMDF.

 

A intenção do Realize é treinar as habilidades socioemocionais das futuras empreendedoras. “O objetivo não é oferecer mais um curso de bolos, é dar uma ferramenta para essa mulher”, frisou Gisela. O Realize é um diferencial oferecido pelo projeto.

 

O projeto Mão na Massa é resultado de acordo de cooperação entre a SMDF e o Instituto BRB, destinado a oferecer cursos para mulheres em situação de vulnerabilidade. A iniciativa é parte de outro projeto, o Rede Sou + Mulher, que visa promover o empreendedorismo e a autonomia econômica das mulheres.

 

Para subsidiar as ações voltadas ao público feminino, o BRB Card apoia e doa parte dos recursos gerados pela distribuição do cartão de crédito Mulher, um dos produtos do banco. Os valores destinados ao projeto são 20% da anuidade e 0,25% das taxas pagas ao banco pelos adquirentes do cartão. Assim, quanto mais o cliente usa o cartão, maior é o volume aportado ao projeto.

 

“Nasci de novo”

 

Emiliana Santana de Alencar, de 53 anos, que participou do Mão na Massa no ano passado, diz que o curso a trouxe de volta à vida: “Eu estava apenas esperando para morrer. Com as aulas, nasci de novo. Fui muito bem recebida, me senti apoiada”, explica. Ela destaca como fundamental para sua mudança as palestras do Realize.

 

Emiliana perdeu cinco parentes vítimas da covid no ano passado, entre eles a mãe. Desempregada há quatro anos, disse que quando iniciou o curso estava completamente sem vontade de viver. Ela conheceu o projeto por meio de um grupo de WhatsApp da comunidade onde mora, no setor de chácaras Monte Alto, em Goiás, próximo a Brazlândia.

Governo do Distrito Federal