Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
27/07/15 às 17h59 - Atualizado em 29/10/18 às 11h14

Mobilização popular é essencial no combate ao tráfico de pessoas

COMPARTILHAR

Secretária Marise Nogueira alerta para as falsas ofertas de emprego com altos salários no exterior

Pelo menos 36 moradores de Brasília foram vítimas do tráfico de pessoas entre janeiro 2012 e junho de 2015, de acordo com a Secretaria de Justiça e Cidadania. Os dados ainda são imprecisos por se tratar de uma modalidade de crime pouco conhecida pela população, o que gera um baixo índice de denúncias. Com o objetivo de prevenir e conscientizar as pessoas desse problema, foi aberta, nesta segunda-feira (27), a Semana Nacional de Mobilização para o Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas, na Rodoviária do Plano Piloto.

Na ocasião, foi lembrado o Dia Mundial de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas, que ocorre em 30 de julho, e lançada a campanha internacional Coração Azul, símbolo escolhido para representar a luta. As atividades seguem até 10 de agosto, data em que será realizada uma audiência pública sobre o tema na Câmara Legislativa. Nesta terça-feira (28), um encontro reunirá técnicos da Rede de Atenção ao Migrante, Refugiado e Tráfico de Pessoas, a partir das 8h30, na Escola de Governo do Distrito Federal. Já no sábado (1º), será a vez de uma caminhada mobilizar cidadãos pela causa no Parque da Cidade Dona Sarah Kubitscheck.

A colaboradora do governo Márcia Rollemberg, esposa do governador Rodrigo Rollemberg, participou da solenidade e se disse alarmada com o número de vítimas em todo o mundo — que chega a 20 milhões de pessoas por ano e movimenta US$ 32 bilhões. Desse valor, 85% provém da exploração sexual, segundo informações da Organização das Nações Unidas (ONU). “Essa é a terceira atividade ilegal mais lucrativa, ficando atrás apenas do tráfico de armas e de drogas. Um absurdo que temos que combater.”

O secretário de Justiça e Cidadania, João Carlos Souto, afirmou que esse é o tipo de crime que só será resolvido por meio da mobilização social. “É uma realidade que afeta milhares de pessoas e que ainda é de difícil percepção, por isso precisamos unir forças nessa luta.” Segundo ele, a denúncia é a forma mais eficaz de combate à criminalidade. Para fazê-la, deve-se entrar em contato com as autoridades pelo Disque 100 (denúncia nacional), Disque 180 (central de atendimento à mulher) e 190 (emergência da Polícia Militar).

Mulheres  – A secretária de Políticas para as Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos, Marise Ribeiro Nogueira, alerta para situações comuns nestes casos, como a oferta de trabalhos que pareçam fáceis. “Propostas de emprego no exterior, com remuneração bem acima da média, devem ser vistas com um olhar crítico. O sonho de trabalhar pouco e ganhar muito pode virar um pesadelo”, avalia.

Ela lembra que a Casa da Mulher Brasileira e os Centros Especializados de Atendimento à Mulher (Ceam) estão à disposição das mulheres vítimas de tráfico. “Nossa equipe multidisciplinar e o trabalho integrado da rede de atendimento podem auxiliá-las na retomada de suas vidas”, expõe. Nesta quinta-feira, 30, servidores da Casa participarão de um curso sobre tráfico de pessoas.

A subsecretária de Políticas para Justiça e Cidadania do Distrito Federal, Joana D'arc Melo, informou que tanto em Brasília, como em todo o mundo, o tráfico com a finalidade de exploração sexual de mulheres é o mais praticado. “As vítimas são iludidas por falsas agências de modelo, mas existe também o tráfico para trabalho escravo, de órgãos e também para a adoção ilegal.” Este mês, um homem foi preso no Aeroporto Internacional Juscelino Kubitschek suspeito do crime de tráfico de órgãos ao tentar embarcar com um grupo de garotos, entre 11 e 16 anos, para a Bahia.

Também participaram da cerimônia de abertura a coordenadora Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas da Secretaria Nacional de Justiça do Ministério da Justiça, Heloísa Greco; a defensora pública da União, Mariana Lucena de Nascimento; e o diretor-executivo do escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime, Rafael Franzini.

Fonte: Agência Brasília (com adaptações)

Ascom Semidh
3961-1782 / 3425-4779