Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
12/02/20 às 18h04 - Atualizado em 24/04/20 às 17h45

GDF assina acordo voltado para a proteção da mulher

COMPARTILHAR

A Defensoria Pública do Distrito Federal e a Secretaria da Mulher do Distrito Federal assinaram, na manhã desta quarta-feira (12), acordo com a Rede Sou Mais Mulher. A Rede é uma articulação de organizações públicas e privadas que atua no DF e promove ações voltadas para a promoção da igualdade entre mulheres e homens, o empreendedorismo e a autonomia econômica das mulheres.

 

Por meio de Acordo de Cooperação Técnica, assinado pela secretária da Mulher, Ericka Filippelli, e a defensora pública-geral, Maria José Silva Souza de Nápolis, ficou estabelecido que os dois órgãos vão implementar um programa de educação em direitos voltado para as servidoras do GDF e mulheres da sociedade civil.

 

“Serão ações voltadas para o combate à violência contra as mulheres, promoção de igualdade entre homens e mulheres, empreendedorismo feminino e autonomia econômica das mulheres”, explicou a secretária. O evento com a temática “A sororidade em pauta” contou com a presença de mulheres e homens que trabalham e militam com a temática de gênero.

 

Defensoria Pública

 

A Defensoria Pública é a representação instrumental de maior inclusão democrática no Estado e fala pelos mais necessitados de inclusão. É a responsável por resguardar os diretos humanos de todos os cidadãos. Ericka Filippelli ressaltou a importância do trabalho em rede e citou parcerias que já ocorrem no Distrito Federal, como com a Novacap, BRB e Rede Mulher Empreendedora.

 

A defensora pública-geral falou sobre o papel do órgão responsável por promover justiça social e destacou a importância de oferecer capacitação em educação e direitos para a sociedade. “Precisamos dar voz à todas as mulheres do DF. Servidoras públicas, mães de família, mulheres normais, todas”, destacou. Além disso, Maria José contou a história de sua mãe, uma mulher simples, que ofereceu a ela toda a estrutura emocional para que ela pudesse ser quem quisesse.

 

Ainda durante a atividade, o Núcleo da Mulher da Defensoria Pública lançou a Cartilha de Apoio à Defesa da Mulher.

 

*Débora Cruz, com edição da Agência Brasília