Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
13/09/12 às 13h01 - Atualizado em 29/10/18 às 11h13

Crianças da Casa Abrigo transformam atividade lúdica em arte

COMPARTILHAR

As crianças do Programa Casa Abrigo estão produzindo arte. Isso mesmo. São camisas confeccionadas por elas, com o auxílio das servidoras do programa. A novidade é um projeto do setor pedagógico e trata-se de um trabalho de pintura com lixa e giz de cera, que serve para estimular a percepção das crianças em relação às cores, texturas e mostrar que existem várias técnicas para se fazer arte.

Os primeiros resultados deste trabalho puderam ser admirados nessa terça-feira, 11, durante visita da comissão do Projeto de Cooperação Técnica Trilateral Brasil-EUA-Haiti no Enfrentamento à Violência Contra a Mulher. Para confeccionar a camisa, foram utilizados materiais como lápis, lixa de madeira nº 150, giz de cera, camiseta branca, ferro de passar e termolina.

A especialista em Assistência Social Luene Garcia Nunes conta que a ideia surgiu após uma reflexão de que tipo de trabalho poderia ser feito com as crianças que chegam à Casa Abrigo já fragilizadas pelas consequências da violência doméstica. “Trabalhamos com sentimentos, afetividade. Acima de tudo, o que queremos é que as crianças, por meio de um momento prazeroso e lúdico, externem suas emoções”, explicou.

Para a secretária de Estado da Mulher, Olgamir Amancia Ferreira, é motivo de orgulho ver a equipe pedagógica da Casa Abrigo preocupada e ao mesmo tempo motivada. “Proporcionar às crianças da casa um ambiente acolhedor e rico culturalmente, visando o fortalecimento do vínculo afetivo entre mãe e filho, assim como o desenvolvimento das habilidades individuais e da autoestima, é fundamental para que elas superem o trauma da violência e tenham um futuro melhor”, comemorou.

A Casa Abrigo faz parte da rede de atendimento à mulher vítima de violência do Governo do Distrito Federal. Nela, mães e filhos recebem atendimento multidisciplinar e humanizado as áreas jurídicas, pedagógica, psicológica e social. Atualmente, a casa acolhe nove mulheres, 15 crianças e um adolescente.

O setor pedagógico da Casa Abrigo é formado por quatro profissionais, a saber: Luene Garcia Nunes de Oliveira, Elaine Formiga de Sousa e Manoela Monteiro Bolzan Fuzer e  Noêmia Maria Ferreira Silva.