Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
1/07/13 às 13h12 - Atualizado em 29/10/18 às 11h13

Artesãs são beneficiadas com projeto da Secretaria da Mulher

COMPARTILHAR

Mais de 800 atendimentos foram realizados nos três primeiros encontros

No artesanato e no trabalho manual, as mulheres são as principais protagonistas; elas representam 87% da faixa das pessoas que produzem e, com isso, garantem a sobrevivência de suas famílias. Nesse contexto, a Secretaria de Estado da Mulher do Distrito Federal assume um papel fundamental ao integrar políticas e valorizar essas mulheres e suas atividades.

Foi justamente com o objetivo de promover o reconhecimento, a valorização e a autonomia socioeconômica das artesãs e trabalhadoras manuais do Distrito Federal que surgiu o projeto “Selo Rede Mulher”. Até o momento, foram realizados três encontros com as artesãs e trabalhadoras manuais de Planaltina, Ceilândia e Santa Maria, totalizando mais de 800 atendimentos realizados. A proposta da SEM-DF é realizar mais 13 encontros ao longo de 2013.

A porta de acesso das mulheres aos benefícios do projeto são os Encontros de Economia Feminista e Solidária. “Ao realizarmos estas atividades, trazemos para a visibilidade não só o trabalho da mulher, mas a história que há por trás do trabalho dela – muitas vezes, marcada por um contexto de contradições. Assim, abrimos a possibilidade de mostrar que Ceilândia, Santa Maria, Planaltina e todas as demais cidades possuem mulheres valorosas e protagonistas do desenvolvimento socioeconômico de suas cidades”, considera Olgamir Amancia, secretária de Estado da Mulher.

A artesã Olga Teixeira, 50 anos, corrobora a afirmação da secretária, acrescentando que, para muitos, o artesanato não é nada além de uma terapia. “Nossa profissão é pouco valorizada aqui no Distrito Federal; muitos não consideram o artesanato como um dom. O projeto, além de dar mais visibilidade e ajudar no escoamento da nossa produção, irá desmistificar a ideia errônea que algumas pessoas têm. Enfim, teremos a esperada valorização”, acredita a artesã.

Benefícios – Ainda nos encontros, todas as participantes terão seus trabalhos registrados e catalogados para inserção no Catálogo Virtual, a ser confeccionado pela SEM-DF. “Além de servir como instrumento de articulação da Rede Mulher de Comércio Justo e Solidário, o Catálogo Virtual irá valorizar a mulher através do artesanato, revelando a história que está por trás de cada produto”, justifica Sandra Di Croce Patricio, subsecretária de Políticas para as Mulheres, subpasta responsável pela elaboração do projeto. 

Os encontros também desempenharão um papel fundamental na disseminação das políticas e serviços disponibilizados às artesãs pelas instituições parceiras. Por meio dos encontros, as participantes poderão acessar os serviços do Prospera Mulher, Centro Especializado da Mulher (CEAM Itinerante), Carteira da Artesã, Rota do Artesanato Candango, comercialização solidária, incubação de empreendimentos solidários, Fundo de Apoio à Cultura, cadastro de agente cultural, cursos de qualificação especializada, associativismo e cooperativismo e sorteios. 

Durante os eventos, os empreendimentos coletivos (associações, cooperativas e grupos informais) poderão candidatar-se para serem certificados com o Selo Rede Mulher de Economia Solidária. O projeto Selo Rede Mulher prevê ainda a certificação de pontos de promoção da Rede Mulher de Comércio Justo e Solidário para efetivar canais permanentes de visibilização e escoamento da produção nos setores de comércio e serviço.