Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
20/04/15 às 16h06 - Atualizado em 29/10/18 às 11h14

Abril Indígena segue até a sexta-feira

COMPARTILHAR

Na abertura, houve posse simbólica de três servidores índios

Com a presença do governador Rodrigo Rollemberg, acompanhado da esposa e colaboradora do governo, Márcia Rollemberg, da secretária de Políticas para as Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos, Marise Nogueira, e do secretário de Cultura, Guilherme Reis, três índios tomaram posse simbólica na manhã deste domingo (19), durante evento de abertura do Abril Indígena.

O evento, que contou com discursos e rituais, ocorreu no Memorial dos Povos Indígenas. O Abril Indígena segue até a próxima sexta-feira (24), com programação diária (clique aqui para conferir) que inclui minicursos, oficinas e palestras. Nesta quarta (22), às 10h, na Codeplan, haverá a divulgação de pesquisa que traça o perfil demográfico e socioeconômico dos índios do DF. 

Para Rollemberg, é fundamental colocar em evidência a valorização da diversidade cultural e étnica brasiliense: “A contribuição que cada comunidade pode oferecer à cidade é a principal riqueza de Brasília, um lugar onde as diferenças convivem em harmonia”.

Osvaldo Xukuru e Francisco Tabajara foram simbolicamente empossados, respectivamente, chefes do Núcleo de Diversidade Cultural e do Núcleo de Saúde e Segurança Alimentar da Secretaria de Políticas para as Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos. Álvaro Tukano vai para a direção do memorial, ligado à Secretaria de Cultura. “Essa casa é muito importante, pois aqui as pessoas conhecem cultura, tradições e histórias de lutas dos nossos povos”, destacou o novo diretor.

Os três integram o governo de Brasília para articular políticas públicas de interesses dos povos atendidos no DF — como Fulni-ô, Xukuru, Kariri-Xocó e Guajajara. Segundo o censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), de 2010, havia cerca de seis mil pessoas autodeclaradas indígenas em todo o DF.

“São ações importantes para ampliar o debate sobre as populações, não apenas formadas por índios, mas também por ciganos, quilombolas, enfim, todos aqueles que formam a nossa identidade”, acrescentou a secretária Marise Nogueira.

No fim da solenidade, o governador plantou uma palmeira de buriti, enquanto os Krahô, de Tocantins, os Fulni-ô, de Pernambuco, e outros que habitam o Parque Nacional do Xingu, no Mato Grosso, fizeram exibições de dança, pintura corporal e artesanato. Em uma visita à tribo Krahô, Rollemberg foi chamado de Kravajô — palmito de buriti.

Ascom Semidh – 3961-1782 – com Agência Brasília